©Todos os direitos reservados. Cia.Pessoal do Faroeste 2020.

Palestras-debates:

Teatro

Quintas 19 horas

 

Olhares para a história (19/09) - A região compreendida entre os bairros da Luz, Bom Retiro, Santa Ifigênia e Campos Elísios tem uma história rica e diversa, permeada por momentos mais oficiais e mais obscuros, por doses maiores ou menores de atenção do governo e da opinião pública. Abordar a história dessa região e das comunidades que a constituíram em cada época ao longo do século XX é o objetivo dessa palestra-debate de abertura, que dará subsídios para os debates futuros.

 

Luciana Zaffalon - Ouvidora-Geral da Defensoria Pública de São Paulo

 

Herta Franco - doutora em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (2002) e pós-doutorado na Universitat de Girona (Espanha).  Atua em áreas como história urbana, memória urbana, história da arte, políticas culturais, patrimônio cultural e intervenções urbanas contemporâneas.

 

Olhares para o som e a imagem (26/09) - Algumas linguagens artísticas revelaram, ao longo das décadas, grande enraizamento na região da Luz e arredores – é o caso dos sambistas da Rua Glete e do núcleo de produção de cinema em torno da Rua do Triunfo, dentre outros exemplos. Identidades foram forjadas no desenvolvimento dessas linguagens, que tiveram sua ascensão e decadência e metaforizaram as dinâmicas sociais da capital paulista.

 

Daniel Camargo - cineasta e professor de cinema da UNIRIO. Fez o documentário sobre a Boca do Lixo para o Canal Brasil intitulado “Bollywood brasileira”.

Amailton Magno Azevedo - doutor em História pela PUC SP, autor da tese "A memória Musical de Geraldo Filme - os sambas e as micro-áfricas em São Paulo".

 

Olhares para a violência, a convivência e o espaço público (10/10) - Nas últimas décadas, a região da Luz e cercanias tem aparecido na imprensa por conta de questões relacionadas à violência, mas algumas ambiguidades teimam em surgir. Quais os tipos de violência ao qual estamos nos referindo? Quem são, de fato, as vítimas dessa violência? A quem interessa estigmatizar esta região como área degradada? Esse debate inexoravelmente conduz a reflexões sobre espaço público e suas diversas apropriações pelas pessoas.

 

Luiz Kohara - engenheiro Civil, mestre em Engenharia pela USP e doutor em Arquitetura e Urbanismo pela mesma instituição. Já foi Assessor da Supertintendência Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo, e atualmente coordena o Centro Gaspar Garcia de Direitos humanos.

 

Sergio Haddad - doutor em Sociologia da Educação, diretor presidente do Fundo Brasil de Direitos Humanos. Foi fundador da Ação Educativa e presidente da Associação Brasileira de ONGs, Relator Nacional para o Direito à Educação e um dos idealizadores e organizadores do Fórum Social Mundial.

 

Olhares para a boemia, a prostituição e a crônica (24/10) - O boêmio e a prostituta foram e são elementos constantes na região da Luz. É natural que atraíssem olhares daqueles que escrevem a crônica urbana, o que acabou por criar uma rede de significações reais e ficcionais de grande valor cultural. Nessa rede, o protagonismo pertence àquele que a cidade marginaliza - o cenário é a noite, o avesso da cidade que trabalha.

 

Marcia Regina Ciscati é professora universitária e historiadora. Graduada, mestre e doutora em História, autora da tese  Walt Disney e a criação do Zé Carioca, um olhar americano sobre a malandragem brasileira, defendida em 2004, pela Universidade Estadual Paulista e do livro, pela editora Annablume com  o título Malandros da terra do trabalho – malandragem e boemia na cidade de São Paulo (1930-1950) .

 

Elaine Bortolanza é Doutora em Psicologia (Núcleo de Estudos da Subjetividade) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) com a tese "zonas de promiscuidade: trottoir do desejo sexual". Atua no campo das políticas do corpo, como consultora e pesquisadora, nos seguintes temas: sexualidade, erotismo, prostituição e as intercessões entre eles nos modos de subjetivação no contemporâneo.


 

Olhares para o trabalho e a arte (07/11) - A arte, embora historicamente tenha estabelecido relações íntimas com o poder, é principalmente instância libertadora por meio do trabalho criativo. Assim concebida, a ação do artista pode ser transformadora não apenas das feições da cidade, mas das relações entre as pessoas. Nesse sentido, ela ajuda a repensar o trabalho que se manifesta para além da arte, tornado assim possibilidade de posicionamento do ser humano na sociedade. O intuito dessa palestra-debate é pensar como esses processos de convergência entre trabalhadores e artistas ocorreram na região da Luz e arredores.

 

Thais D'Abronzo - atriz, diretora e professora de teatro, mestre em artes pela Unicamp (2008), com foco em direção e poéticas da cena, docente do curso de artes cênicas da Universidade Estadual de Londrina.

 

Tina Galvão – movimento Aquele Abraço

 

Olhares para a imigração (21/11) - Poucas regiões em São Paulo exibem de modo tão exuberante a influência de múltiplas correntes migratórias como o bairro do Bom Retiro e seus arredores. Judeus, coreanos, gregos, bolivianos – povos que redefinem, com sua cultura e crenças, o espaço ao qual aportam, e que ao mesmo tempo sofrem processos de transformação em suas próprias culturas.

 

Benjamin Seroussi – atualmente é curador da Casa do Povo, após ter sido responsável pela programação do Centro da Cultura Judaica

Antônio Andrade - comunicador, especializado em Marketing Direto e Idealizador do Bolívia Cultural

 

Oriana Jara - fundadora e presidente da ONG Presença de América Latina. Pós-graduada em Ciências Sociais no Instituto Latino Americano de Doutrina e Estudos Sociais. Participou das Comissões Estadual e Municipal de Direitos Humanos entre 2005 e 2008.

 

Centro periférico ou periferia central? (05/12) - Diferentemente de outras regiões centrais da cidade, os bairros da Luz, Bom Retiro, Santa Ifigênia e Campos Elísios têm uma dupla face: ora são enxergados como centro, ora como periferia, numa mescla de referências geográficas e simbólicas. Cada um que passa, trabalha ou vive nessa região experimenta as contradições dessa dupla condição, que pende para um lado ou para outro, dependendo do dia da semana, ou da hora do dia. Qual a importância dessa região tão peculiar para a lógica do espaço urbano paulistano?

 

Heitor Frúgoli Jr. - Professor do Departamento de Antropologia da USP, mestre em Antropologia Social e doutor em Sociologia mesma universidade. É autor de São Paulo: espaços públicos e interação social e Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole, entre outros. Atualmente coordena o Grupo de Estudos de Antropologia da Cidade (GEAC) na Universidade de São Paulo

 

Paula Ribas - jornalista,  fotógrafa, presidente da AMOALUZ e conselheira da ZEIS da Santa Ifigênia

 

Mediadora de todas as palestras:

Rose Silveira - Jornalista e historiadora, doutoranda em História pela PUC-SP. Pesquisa biografismo, sociabilidades e história urbana. Atuou nas áreas de jornalismo cultural, direitos humanos e produção cultural. Foi curadora de literatura convidada no projeto Portfólio do Instituto Itaú Cultural (2008) e consultora em História da Cia Pessoal do Faroeste no espetáculo “Cine Camaleão, a Boca do Lixo” (2011). É autora do livro “Histórias invisíveis do Teatro da Paz” (Editora Paka-Tatu, 2010).